Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email

domingo, 15 de maio de 2011

Casamento belo e política quente

Detalhes do casamento de Amabile e José Henrique certamente animarão as rodas de conversas de Joinville e região por muitos dias. A cuidadosa simplicidade da cerimônia. A beleza da noiva e da mãe Dilamar, a música, os músicos, o buffet, vinhos e espumantes de boa cepa. A tradição do Harmonia Lyra e as referências à velha Itália. Em tudo os cuidados com o bom gosto. As colunas sociais se encarregarão de reverberar a festa.
Foi também um evento político e nem poderia ser diferente. Vou, ao sabor desse domingo chuvoso, me permitir exercícios de futurologia.Ausência que notei. Paulo Bauer. Convidado, não compareceu.
Fora do circulo familiar, a maioria dos convivas foi formada por amigos de Tebaldi. Gente que está incondicionalmente com ele. Moacir Bogo, Moacir Thomazi, Henrique Chiste Neto, Paulo Santana, Cromácio José da Rosa, Carlos Caetano, Ivandro de Souza, os guardiãos Ivã e Vanderlei, Ben Hur, Deretti, Mariléia Gastaldi, padres (Jorginho, Juca, Renato -veio especialmente de Porto Alegre - e Bertino), Keno, Zeno Fischer, Nelson Corona, etc, etc, etc.
Do jornalismo anotei Toninho Neves, Haroldo Marinho, Carlos Bust. Emanuel Testoni,Ale Lobo. Da política vou listar protocolarmente. Pinheiro Moreira (representando o governador Colombo) senador Luiz Henrique da Silveira, deputado Darci de Matos, vereador Olodir Cristo, secretário da saúde Dalmo Claro de Oliveira, e o ex-senador Leonel Pavan. Muitas ausências anotadas.
Estratégicamente acomodado numa mesa na boca do corredor central estava o empresário Udo Dohler. Fez-se romaria para cumprimentos. E, ele próprio, transitou desenvolto em tantas mesas quanto pode.
Agora vamos à minha previsão. Candidatura de Hudo Dohler vai unir novamente Tebaldi e LHS, acrescida do PP de Moacir Thomazi, sem Kennedy Nunes. Numa conta simples, só pelo tempo de tv no horário gratuito já será um massacre.
Tebaldi, anfitrião, certamente foi o mais festejado. Mas LHS fez uma reunião no corredor central de onde saiu, apenas para dançar de rosto colado com Dona Ivete. Parecia satisfeitíssimo com o resultado das conversas. Penso que na reeleição de Raimundo Colombo, salvo acidente de percurso, o vice será Marco Antônio Tebaldi.

2 comentários:

Conselhos para a Cidade disse...

Uma analise política muito interessante. O estilo patrola encaixa perfeitamente com o perfil do candidato que tem se especializado em ser candidato único, que não é a mesma coisa que candidato de consenso.
Quem viver verá.

HChiste disse...

Não sei quem assinou o comentário acima...agora: "patrola"? "consenso"? sei lá....melhor explicar....
HChiste